Por dentro do Dia dos Namorados no Brasil

No Brasil o dia dos namorados é comemorado no dia 12 de junho. A data no calendário comercial brasileiro (que compreende Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos pais, Dia das Crianças, Black Friday e Natal) ocupa a terceira posição em vendas atrás do Natal e do Dia das Mães.

Lojistas decoram suas vitrines.

O Dia dos Namorados é comemorado às vésperas do início do inverno. Por este motivo o setor de vestuário tem um desempenho relevante se comparado com outras datas comerciais do calendário.

Embora o ticket médio dos presentes – comparativamente – não seja dos maiores, o valor total gasto pelos consumidores é relevante para o varejo pois envolve também o mercado foodservice e impulsiona salões de cabeleireiros e barbearias. Para os namorados e recém-casados, além do presente a ida a uma restaurante é fundamental. Os mais apaixonados incluem na cesta de compras cartões, flores e chocolates.

A indústria de joias e folheados percebe uma sazonalidade importante: é a data mais importante para conquistar novos consumidores. E os resultados aparecem na medida em que suas campanhas ensinam os consumidores a usar brincos, colares e pulseiras. Explicando quais tipos de joias, folheados e bijuterias combinam com quais roupas e ocasiões.

Os shoppings centers costumam investir em campanhas publicitárias para as datas. As ações promocionais funcionam melhor nos dez dias que antecedem a data – culminando no dia do pagamento da maioria dos trabalhadores brasileiros que recebem no quinto dia útil do mês. Os lojistas decoram as vitrines com temas de coração que conquistam consumidores até no próprio dia – lembrando que os consumidores brasileiros não costumam antecipar as compras.

O e-commerce tem boa performance nos produtos mais caros e desejados como calçados e smartphones, porém o destaque fica para as lojas físicas. É comum o consumidor sair de casa sem um produto específico em mente. Ou seja, a jornada de compra parece não ser predominantemente digital (embora o “Showrooming” seja um hábito da classe média brasileira). Por ser uma data com vínculos emocionais intensos, os consumidores carregam suas escolhas com forte apelo afetivo. Saem à procura de um presente que possa tornar tangível algo subjetivo e pessoal. Costumam descrever a procura do presente ideal como aquele que tem “a cara” do outro.

É preciso lembrar que o brasileiro tem um coração maior do que o bolso. E apelos que de alguma forma consigam expressar “uma grande paixão” costumam sair vencedores.

No Brasil, a data tem consumo mais forte entre o público adulto jovem (19 a 29 anos) que trabalha, tem uma relação afetiva duradoura, solteiros ou casados sem filhos.

A data também é relevante para a indústria de perfumes e cosméticos que têm boa performance no modelo de vendas diretas.

Não há viés de gênero no comportamento dos consumidores brasileiros nas compras de presentes do dia dos namorados. E nos últimos anos as campanhas publicitárias têm abordado mais a temática da celebração daquilo que une as pessoas do que de fato os papeis sexuais. No Brasil o dia dos namorados não carrega preconceitos e o estigma de casal hétero deixou de frequentar a publicidade brasileira. Nota-se que é justamente no dia dos namorados é que o público LGBT é abordado com mais qualidade. Neste aspecto as campanhas são mais inclusivas do que no Dia das Mães e Dia dos Pais.